O Governo mexicano defendeu nesta terça-feira (23) sua política de contenção frente ao fenômeno migratório, depois da detenção de 371 centro-americanos que se dirigiam aos Estados Unidos.

O episódio confirma o endurecimento da postura da Administração e a guinada em relação à política de portas abertas anunciada no começo do ano.

Apesar das críticas de certas organizações da sociedade civil, o Executivo do presidente Andrés Manuel López Obrador insistiu na necessidade de “regular” o crescente fluxo de pessoas que cruzam o país em direção ao vizinho do norte – 300.000 nos últimos três meses, segundo dados oficiais. “Não queremos que tenham passagem livre, não só por questões legais, mas também por questões de segurança”, disse o presidente em entrevista coletiva pela manhã.

Agentes da Polícia Federal e do Instituto Nacional de Migração (INM), o organismo encarregado de administrar as entradas, encurralaram na tarde da segunda-feira uma caravana integrada por 3.000 migrantes irregulares, em sua maioria hondurenhos, que caminhavam por uma estrada no município de Pijijiapan, no Estado de Chiapas (sul do México).

Algumas pessoas tentaram escapar pelos morros, enquanto outras foram obrigadas a subir nos ônibus governamentais. Os detidos, entre os quais há crianças, foram levados a centros de internamento enquanto esperam a “regularização” da sua permanência.

Ler mais

*El País

 

Anúncios