Com o apoio do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), o Equador adotou neste mês uma campanha global de conscientização pública sobre o tráfico de pessoas. 

O Equador possui um sólido arcabouço legal e instituições especializadas para investigar e processar os responsáveis pelo tráfico de pessoas, mas o UNODC considera que um envolvimento e uma cooperação maiores do público em geral tornaria essas estruturas mais eficazes.

De acordo com o Relatório Global do UNODC de 2018 sobre Tráfico de Pessoas, 72% das vítimas dessa violação são mulheres e meninas. O Equador acompanha essa tendência, mas também registra vulnerabilidades entre outros grupos, como as pessoas com deficiência, migrantes que estão voltando para o país, comunidades indígenas e jovens com acesso à Internet.

Cerca de 200 representantes dos governos central e local, do corpo diplomático, das agências da ONU, da sociedade civil e do setor privado participaram do lançamento da iniciativa.

*Com informações das Nações Unidas

Anúncios