Presidente russo estende a mão ao ditador norte-coreano para resolver impasse sobre a questão nuclear na Península Coreana. Encontro acontece em meio à paralisação nas negociações entre Coreia e EUA.

O ditador norte-coreano, Kim Jong-un, e o presidente russo, Vladimir Putin, encontraram-se pela primeira vez nesta quinta-feira (25) e afirmaram que tiveram conversas produtivas sobre a desnuclearização na Península Coreana.

“Nós discutimos a situação na Península Coreana e trocamos opiniões sobre o que deveria ser feito para melhorar a situação e como fazê-lo”, disse Putin.

“Acabamos de ter uma troca de opiniões muito significativa sobre questões de interesse mútuo”, disse Kim. “A razão pela qual visitamos a Rússia é encontrar e compartilhar opiniões com o presidente Putin, e também compartilhar pontos de vista sobre a Península Coreana, com discussões sobre maneiras estratégicas de buscar estabilidade na situação política regional.”

Entre as questões discutidas está o destino de cerca de 10 mil trabalhadores norte-coreanos que estão na Rússia e que devem sair do país até o final do ano devido às sanções internacionais. Mão de obra é uma das principais exportações e fontes de dinheiro da Coreia do Norte. Pyongyang tem repetidamente pedido à Rússia para continuar a empregar seus trabalhadores após o prazo final.

O principal ponto de discórdia Coreia do norte e EUA: Pyongyang busca uma desnuclearização gradual que seja acompanhada por um levantamento progressivo de sanções, uma oferta rejeitada por Washington no encontro Vietnã. Os EUA defendem um “grande acordo” que passe pela eliminação de todos os programas de armas norte-coreanos, além do nuclear, antes de aliviar qualquer sanção.

*Com informações da Deutsche Welle (Emissora da Alemanha)

Anúncios