O vice-presidente brasileiro, Hamilton Mourão, voltou a descartar nesta terça-feira, 30, “qualquer possibilidade” de intervenção militar do Brasil na Venezuela.

Mourão classificou a situação no país vizinho como “muito confusa” e acrescentou que os líderes oposicionistas foram para uma “situação limite”, que não tem volta.

Para ele, o presidente autoproclamado Juan Guaidó e o líder oposicionista Leopoldo López “foram para uma situação que não tem mais volta. Não há mais recuo”. E emendou: “depois disso aí, ou eles vão ser presos, ou o Maduro vai embora”.

As declarações de Mourão foram dadas após participar de reunião no Planalto comandada pelo presidente Jair Bolsonaro e que contou com a participação dos ministros da Defesa, general Fernando Azevedo, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

A decisão do encontro foi de continuar acompanhando atentamente a evolução no caso na Venezuela e a certeza de que não há definição do que poderá acontecer nas próximas horas.

Mas, a demora em uma definição concreta, para um lado, ou para o outro, mostra que a situação poderá perdurar ainda sem solução, aumentando a preocupação com a possibilidade do agravamento dos confrontos.

*Estadão

Anúncios