O autoproclamado presidente da Venezuela, Juan Guaidó, convocou novo protesto para esta quarta-feira, 1º de maio, denominado de  “Operação Liberdade” e espera derrubar o ditador Nicolás Maduro, a quem não se referiu de forma direta.

Apesar de não ter conseguido quebrar o apoio do alto comando militar a Maduro, o líder opositor disse que a revolta evidenciou fraturas. “Ficou claro que a afirmação do regime de que controla a Força Armada é uma farsa”

Segundo ele, o povo está em um processo que é “impossível de deter” e “tem o respaldo firme do mundo para restabelecer a democracia”.

“Venezuela: em nossas mãos temos o poder de alcançar definitivamente o fim da usurpação. Estamos em um processo que é impossível de deter. Temos o respaldo firme de nossa gente e do mundo para conseguir o restabelecimento de nossa democracia. #TodaVenezuelaNasRuas”, escreveu.

Guaidó confirmou as declarações do secretário americano de Estado, Mike Pompeo, de que Maduro tinha um avião preparado para fugir para Cuba, mas foi convencido pela Rússia a permanecer no poder.

“As informações estão corretas: o usurpador tinha tudo pronto para partir, mas forças estrangeiras o obrigaram a ficar”, declarou Guaidó no Instagram.

*Com agências internacionais

Anúncios