Elliott Abrams, comissário especial dos EUA, apontou que o fim do regime de Nicolás Maduro tem “amplo apoio”  nas negociações com o alto comando militar. 

O comissário dos EUA disse que o governo Trump tem outras opções que não foram tornadas públicas e que “existiu em conversas com outros países”. Ele também anunciou que houve semanas de negociações nas quais eles falaram de “garantias e proteções para os membros do regime”.

“Havia muitos aspectos que eles precisariam para levar a Venezuela a uma situação melhor e muitas pessoas que faziam parte do regime perceberam que os líderes deveriam partir”, disse Abrams.

Quanto às declarações de Padrino López, ministro da Defesa, que assegurou que 80% do apoio das Forças Armadas Nacional (FAN) foi com Maduro; Abrams disse que o regime tem números invertidos.

“Pesquisas sustentam que 85% apoiam Guaidó”, disse ele.

Por outro lado, Elliott Abrams insistiu que uma possível detenção ao Presidente (e) Juan Guaidó “é notada pela UE, o Grupo Lima e os EUA como um passo extremamente sério para o regime ”

O governo dos EUA vê o apoio da Rússia à Venezuela como uma provocação para piorar as relações com os Estados Unidos.

“A Rússia apóia a Venezuela para piorar seu relacionamento com os EUA e investir em um regime que tem muito pouco apoio na Venezuela. É um susto entre os EUA e a Rússia. Nós responderemos diretamente à Rússia “Abrams concluiu.

*NTN24

Anúncios