Os Estados Unidos suspenderam nesta terça-feira “com efeito imediato” as sanções econômicas contra o ex-chefe de inteligência venezuelano, Christopher Figuera, depois que ele apoiou na semana passada uma revolta contra o regime de Nicolás Maduro.

Resultado de imagem para Christopher Figuera fotoEm um discurso no Departamento de Estado, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, disse que Washington espera que a deserção do general Christopher Figuera inspire outros oficiais superiores a romper os laços com Maduro e apoiar o presidente Juan Guaidó, informou a AFP.

“Os Estados Unidos da América irá considerar a flexibilização das sanções para aqueles que defendem a constituição e apoiam o Estado de direito. Espero que as ações que nossa nação está tomando hoje possa encorajar outros a seguir o exemplo do general Christopher Figuera”, disse Pence.

Além disso, o mais alto tribunal da Venezuela, o Supremo Tribunal de Justiça (TSJ), semelhante ao Maduro, minou o seu mandato constitucional, tornando-se uma “ferramenta política para um regime que usurpa a democracia” e advertiu que os Estados Unidos responsabilizará seus 25 membros por não protegerem os direitos do povo venezuelano. “É tempo que o Supremo Tribunal da Venezuela retornar à sua finalidade”, advertiu Pence.

Pence também anunciou que um navio hospital da Marinha dos EUA, o USNS Comfort, vai voltar a águas para a região em junho para uma missão de cinco meses destinada a ajudar os países vizinhos que tenham recebido alguns dos mais de três milhões de venezuelanos que deixaram seu país no meio do desastre econômico em que estão mergulhados.

*Com informações da NTN24

Anúncios