A Espanha perdeu 622 cinemas em uma década (15%), uma centena deles apenas no ano passado, de acordo com o relatório “Os cinemas, dados e números”, apresentado hoje em uma conferência de imprensa pela federação espanhola de expositores cinematográficos (FECE).

O dossiê, correspondente a 2018, inclui um cadastro de 3.518 quartos ou telões, ante 3.618 em 2017 e 4.140 em 2008, segundo dados oficiais do Instituto de Cinematografia e Artes Audiovisuais (ICAA).

O número de espectadores diminuiu 9,3% em dez anos, de 107,8 milhões em 2008 para 97,7 milhões no ano passado; e 2,1% no último ano (99,8 milhões de espectadores em 2017).

Menos tem sido o impacto na arrecadação, que diminuiu 5,4% desde 2008, passando de 619,3 milhões de euros para 585,7 milhões em 2018 e 2,1% no último ano (99, 8 milhões de euros em 2017).

O presidente da FECE, Juan Ramón Fabra, atribuiu esta queda à crise econômica, ao aumento do IVA, à perda do poder de compra do cidadão e ao impacto da pirataria, mas já passou dessa fase.

“Tem sido um processo muito difícil, mas é um estágio passado e agora esperamos ganhar um novo impulso”, disse ele.

*Com informações da agência EFE

Anúncios