Javier Carbajo e Sara Rojo venceram o World Press Cartoon com uma caricatura do presidente da Síria, Bashar al-Assad, numa edição em que Espanha arrecadou a maioria dos prêmios entregues nas Caldas da Rainha.

caricatura de Bashar al-Assad, desenhada a quatro mãos, foi distinguida com o grande prémio da 14.ª edição do World Press Cartoon (WPC) que, “pela primeira vez, entrega o prémio a um casal de cartoonistas”, disse à agência Lusa o diretor do certame, António Antunes.

O trabalho do casal espanhol que retratou o presidente da Síria e se destacou na categoria Desenho, foi publicado no jornal ABC, em Espanha, em abril de 2018.

O prêmio, com o valor monetário de 10 mil euros, foi entregue este sábado no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha, que acolheu a gala do evento anual do desenho de humor publicado na imprensa internacional.

Na mesma categoria, o júri atribuiu o 2.º prêmio à obra “Angela Merkel“, de outro espanhol, Joaquín Aldeguer, publicado na revista El Jueves.

O 3.º prêmio foi para “Martin Luther King“, do autor brasileiro Cau Gomez, publicado no jornal “Le Monde Diplomatique”.

As obras premiadas refletem “a grande qualidade dos desenhos avaliados e a confluência das opiniões dos cinco elementos do júri” que, segundo o cartoonista António, nesta edição escolheram “trabalhos com uma carga dramática menos evidente que nas duas edições anteriores”.

A 14.ª edição do certame ficou ainda marcada pela “predominância de premiados em línguas hispânicas”, disse António à Lusa, lembrando que dos nove prêmios atribuídos, dois foram para Espanha, um para o México e outro para Cuba.

Na categoria Desenho de Humor o 1.º prêmio foi atribuído ao mexicano Boligán, com a obra “Reload”, publicada no jornal El Universal.

O 2.º distinguiu “Cheias em Veneza”, do português André Carrilho, numa crítica à “febre” das “selfies”, publicada no jornal “Diário de Notícias”.

Finalmente, o 3.º prêmio nesta categoria foi para “Autocarros”, do autor francês Constantin Sunnerberg, publicado no jornal “Courrier International”.

Na categoria Cartoon Editorial, o 1.º prêmio foi atribuído ao cubano Ramsés Morales, pelo seu desenho “Cuba Pal Taller”, publicado no site americano OnCuba.

O 2.º prêmio foi para “A Causa do Medo”, do turco Halit Kurtulmus, publicado na plataforma holandesa Cartoon Movement.

O 3.º prêmio foi entregue ao artista búlgaro Nikolov Tchavdar, por “America First”, publicado pelo jornal búlgaro “Prass Press”.

Esta foi a categoria em que mais se refletiu a abertura do WPC “às plataformas digitais”, em resposta, segundo António, “à redução cada vez maior do espaço dos cartoons nos jornais impressos”.

Os trabalhos foram avaliados por um júri internacional que integrou, para além do diretor do certame, os cartoonistas Maria Picassó (Espanha), Óscar Grilo (Argentina), Cássio Loredano (Brasil) e o designer Manuel Peres (Portugal).

Participaram na competição 900 obras, publicadas em 68 países e em que figuram 71 novos autores.

Nesta edição, a organização selecionou 279 trabalhos para integrar uma exposição inaugurada no final da gala e que vai estar patente ao público no Centro Cultural e de Congressos das Caldas da Rainha até ao dia 28 de julho.

A mostra tem entradas livres e o catálogo da exposição está à venda no local.

O WPC realiza-se nas Caldas da Rainha desde 2017, ano em que o certame foi relançado após uma paragem em 2016, por falta de apoios financeiros ao evento que, entre 2005 e 2015, se realizou em Sintra.

*Com informações do Jornal de Notícias (Portugal)

Anúncios