petroleiro Manuela Sáenz saiu no dia 1º de maio e já está em Cuba. No entanto, durante a viagem, desconectou os sistemas de satélites para evitar ser monitorado. 

Fontes dizem que funcionários do Serviço Nacional de Inteligência Bolivariano (Sebin) intimidaram e forçaram a tripulação a bordo. Isto foi confirmado pela jornalista  Sebastiana Barraéz.

As tropas do Sebin são responsáveis ​​por intimidar e exercer pressão sobre a tripulação do navio e, desta forma, foram enviadas em 1 de maio da Venezuela para Cuba, carregadas de gasolina e diesel.

O Sebin agiu quando parte da tripulação reclamou e o capitão se recusou a cumprir ordens para mobilizá-la para Cuba. Os policiais tomaram o petroleiro por meio de um ato de intimidação. 

*Com informações da Venepress

Anúncios