Os Estados Unidos da América pediram nesta quarta-feira a todos os “funcionários do governo não essenciais” que abandonassem o Iraque. A declaração surge numa altura em que se intensificam as tensões entre os EUA e o Irã. Os militares norte-americanos alertam para ataques “iminentes” do Irã.

“Os serviços normais de visto em ambos os postos serão temporariamente suspensos. O Governo dos EUA tem capacidade limitada para fornecer serviços de emergência a cidadãos americanos no Iraque”, disse o Departamento de Estado, referindo-se à Embaixada e ao Consulado dos EUA em Arbil.

A declaração surgiu após o Comando Central dos EUA (CENTCOM) alertar, na terça-feira (14), para o nível de ameaça elevado, tanto no Iraque como na Síria. Divulgou na altura um comunicado, dizendo que as tropas norte-americanas destacadas no Iraque se encontravam em alerta contra um possível ataque “iminente” do Irão e dos seus representantes.

O Ministério da Defesa da Alemanha anunciou também nesta quarta-feira que está a suspender as operações de treino militar no Iraque. A Holanda, por sua vez, seguiu a Alemanha e decidiu suspender a sua missão, que prestou assistência às autoridades iraquianas num contexto de ameaça de segurança.

O Ministério da Defesa holandês confirmou à comunicação social a suspensão da missão. O porta-voz do Ministério disse à agência ANP que a retirada das tropas holandesas da área “não está em discussão de momento”.

A evacuação dos funcionários dos EUA alarmou alguns políticos da União Europeia, que expressaram preocupação com a possibilidade de Washington entrar em guerra com o Teerã.

*Com informações da RTP

Anúncios