Na sua última etapa da viagem de três dias à Romênia, Francisco encontrou-se com representantes da minoria cigana, que conta com um milhão a dois milhões de pessoas neste país de 20 milhões de habitantes e constitui uma comunidade pobre e frequentemente marginalizada.

Francisco disse carregar “um peso no coração”, o das discriminações sofridas pela etnia, confessando que “também os cristãos e os católicos não são alheios a tanto mal”.

“É na indiferença que se alimentam os preconceitos e se ativam os rancores”, lamentou, criticando “as palavras que ferem” e “as atitudes que semeiam o ódio”.

Na Europa, o número de ciganos é calculado entre 10 milhões e 12 milhões de pessoas, o que representa 1,2% da população da União Europeia.

O Papa iniciou na sexta-feira uma visita de três dias à Romênia, país maioritariamente ortodoxo, que foi visitado pela primeira vez por um líder da Igreja católica, João Paulo II, há 20 anos. *Diário de Notícias/Lusa – Portugal