A Rostecum dos maiores produtores de armas, aviões, helicópteros e outros equipamentos do mundo, negou nesta segunda-feira (30) a retirada de especialistas militares russos da Venezuela anteriormente anunciado pelo jornal norte-americano The Wall Street Journal.

O Wall Street Journal disse no domingo (2) em um artigo, citando uma fonte russa “próxima ao Ministério da Defesa”, que a Rússia reduziu a lista de especialistas de Rostec de mil pessoas para várias dezenas.

Segundo o jornal, a retirada gradual dos conselheiros russos se acelerou nos últimos meses devido à falta de novo concreto e liquidez das autoridades venezuelanas para pagar os serviços previstos nos contratos.

Como os venezuelanos não estão pagando, por que Rostec deveria ficar lá e pagar a conta por conta própria?” , disse a fonte citada pelo jornal americano.

Rostec, por outro lado, assegurou que o país caribenho continua a receber periodicamente especialistas técnicos para reparar e manter o equipamento fornecido anteriormente.

“Nos últimos dias, por exemplo, os serviços de manutenção técnica de um de aeronaves foram concluídos” , disse o representante da corporação.

Em março passado, as autoridades dos EUA denunciaram a presença de militares russos na Venezuela, aos quais Moscou respondeu que são especialistas militares russos que realizam trabalhos de manutenção em equipamentos fornecidos ao país.

*Venepress

Anúncios