A primeira partida do esquadrão feminino pioneiro será um amistoso local, contra a equipe feminina da Roma, em 26 de maio. No mês seguinte, terão sua primeira competição: em Viena, disputarão um torneio organizado pelo Bambino Gesù, o hospital infantil do Vaticano.

O jogo diante da Roma não será nada fácil, afinal as oponentes ficaram em quarto lugar em sua primeira temporada na Serie A feminina. Mas Danilo Zennaro, representante da associação esportiva do Vaticano, responsável por organizar as atividades de futebol da cidade-Estado, entende que o resultado não é importante, diante do significado da criação do time.

A equipe masculina do menor Estado do planeta existe há mais de 35 anos e até foi dirigida durante uma partida em 2010 pelo lendário técnico italiano Giovanni Trapattoni.

O Vaticano tem também seu próprio campeonato masculino que, há 48 anos reúne oito equipes, entre as quais figuram os jogadores da Guarda Suíça, dos Museus, dos serviços econômicos, entre outros.

“Por isso achamos que havia chegado o momento de organizar algo, treinamentos e partidas, também para as mulheres”, explicou Danilo Zennaro.

Há alguns meses, cerca de vinte mulheres, funcionárias do Vaticano, esposas de outros funcionários ou trabalhadoras do hospital pediátrico Bambino Gesù, dependente da Santa Sede, se reúnem uma ou duas vezes por semana nos campos do centro esportivo Pío XI, registra o AFP.