A força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba voltou a se manifestar e afirmou que a “ação criminosa de um hacker” teve início por volta de abril.

Com a invasão, teriam sido clonados aparelhos celulares e contas em aplicativos de comunicação instantânea, o que resultou no vazamento de mensagens trocadas entre procuradores.

Segundo a nota, o “modo de agir agressivo, sorrateiro e dissimulado do criminoso é um dos pontos de atenção da investigação”. O hacker teria sequestrado identidades, passando-se por procuradores e jornalistas em conversas para conseguir mais informações.

Ele também teria clonado números de celulares de procuradores e, durante a madrugada, simulado ligações a membros do Ministério Público Federal. Em outras oportunidades, o criminoso também teria entrado em contato com alguns procuradores usando identidade virtual falsa, tentando intimidá-los.

Tentativas de ataques cibernéticos a familiares dos membros da força-tarefa também foram identificadas, “o que reforça o intuito hediondo do criminoso”, segundo a nota.

De acordo com o documento, assim que foram identificadas as tentativas de invasão aos celulares, os procuradores da Lava Jato acionaram a Polícia Federal.

A Procuradoria-Geral da República também foi comunicada e em 14 de maio determinou a instauração de um procedimento administrativo para investigar os ataques.                                                                                                                                                                                                                    *Com informações do site UOL