Sob o título “Homem e Mulher os criou”, o Vaticano divulgou um documento nesta segunda-feira (10) no qual recomenda o debate de questões de gênero entre os jovens e pede “distinção” entre a ideologia e estudos. 

De acordo com o documento da Congregação para a Educação, a hierarquia da Igreja Católica garante que está disposta a debater as diferenças sexuais. No entanto, a discussão será baseada em pesquisas, não na ideologia.

O Vaticano ainda reafirmou que “estamos diante de uma emergência educacional” sobre “ideologia de gênero”, uma corrente de pensamento que busca aniquilar a natureza e “nega a diferença e a reciprocidade natural de homens e mulheres”.

“Esta ideologia apresenta uma sociedade sem diferenças de gênero e anula o fundamento antropológico da família”, acrescenta o documento. Para os religiosos, essa desorientação é uma contribuição para “desestruturar” a instituição familiar.   

A congregação propõe atitudes para tratar o assunto, como ouvir, reflexão crítica e propostas, principalmente porque a ideologia procura impor-se como “pensamento único”.

O documento de 31 páginas do Vaticano foi elogiado por grupos tradicionalistas, mas se tornou alvo de críticas por parte de organizações LGBT, que tem considerado o guia como um recuo da Igreja sobre o tema.

Ao longo do seu pontificado, o Papa Francisco fez diversas e claras advertências sobre a ideologia de gênero, uma corrente que considera que o sexo não é uma realidade biológica, mas uma construção sociocultural que diversos governos tentam impor através da educação das crianças e jovens, segundo a ACIdigital.

 

Anúncios