O líder do parlamento da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou nesta terça-feira (11) a militarização parcial da sede do Assembleia Nacional.

“O Palácio Federal Legislativo segue militarizado hoje”, disse Guaidó, depois que membros da Guarda Nacional Bolivariana (GNB, polícia militar) impediram por várias horas a entrada dos jornalistas para a cobertura da sessão ordinária de hoje.

O Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP) alertou através do Twitter que, depois que na semana anterior “foi possível entrar após cinco semanas de censura”, hoje aconteceu “um passo para trás nas garantias para os jornalistas” com o bloqueio da GNB.

Por sua vez, o Colégio Nacional de Jornalistas denunciou que, “novamente violentando direitos estabelecidos” na Constituição Nacional, a Guarda Nacional “viola também o tratado internacional de Direitos Humanos e de Liberdade de Expressão ao não permitir entrada dos veículos de imprensa à Assembléia Nacional”.

Depois do fracassado levante militar de 30 de abril, que foi liderado por Guaidó, a GNB reforçou a vigilância do Palácio Federal Legislativo e limitou o acesso dos meios de comunicação, segundo a Agência EFE.

 

Anúncios