O ex-juiz e ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirmou nesta quarta-feira (19) que a divulgação, por parte do site The Intercept Brasil, da suposta troca de mensagens entre ele e procuradores constitui um ataque “sensacionalista” e um “revanchismo” por causa de seu trabalho e não põe sua imparcialidade à frente da Operação Lava Jato em xeque.

“Pensei que, saindo da magistratura e assumindo posição do ministro, esse revanchismo, esses ataques ao trabalho de juiz enfrentando a corrupção e aplicando a lei teriam acabado. Mas me enganei”, disse Moro em uma sessão da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

“O que existe é uma invasão criminosa [de celulares] por grupo criminoso organizado que tem por objetivo ou anular condenações por corrupção ou obstaculizar investigações que estão em andamento e podem atingir pessoas poderosas, ou um simples ataque a instituições brasileiras”, acrescentou o ministro, que não reconhece a autenticidade das mensagens, mas assegura que, se forem verdadeiras, não mostram nenhuma atitude incorreta de sua parte.

Nas mensagens, usuários da rede social se empolgaram com o desempenho do ministro durante a sessão e criticaram as perguntas feitas por senadores investigados.

A tag #DetonaTudoMoro está no topo dos tópicos mais comentados do Twitter brasileiro na tarde desta quarta-feira (19).

Anúncios