Centenas de palestinos protestaram nesta segunda-feira (24) contra uma proposta de paz econômica dos EUA, um dia antes de uma conferência liderada pelos americanos no Bahrein.

Manifestantes se reuniram em cidades da Cisjordânia ocupada, incluindo Ramallah, Nablus e Hebron, onde os confrontos eclodiram, disseram jornalistas da AFP.

A conferência econômica, a ser realizada terça-feira e quarta-feira no estado árabe do Golfo, foi anunciada pelos EUA como uma oportunidade potencial para os palestinos terem acesso a bilhões em investimentos em caso de paz com Israel.

Mas os palestinos já rejeitaram a conferência, acusando os Estados Unidos de preconceito pró-Israel e buscando compensar suas ambições de independência e independência.

Em um protesto perto de Hebron, no sul da Cisjordânia, manifestantes sentaram-se em torno de um caixão com as palavras “Não ao trato do século”, uma frase depreciativa para as propostas de paz do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Manifestantes também queimaram fotos de Trump e do rei do Bahrein, disse um correspondente da AFP.

As principais facções palestinas pediram novos protestos na Cisjordânia e em Gaza na terça-feira.

Falando antes de uma reunião semanal do gabinete na manhã de segunda-feira, o primeiro-ministro palestino, Mohammad Shtayyeh, disse que o plano era “simplesmente absurdo”.

“Eu não vi no documento qualquer referência à ocupação. Eu não vi no documento nenhuma referência a assentamentos”, disse Shtayyeh.

“Uma solução palestino-israelense tem apenas a ver com acabar com a ocupação israelense dos territórios palestinos e com o estabelecimento de um Estado palestino independente.” *Com informações da AFP

Anúncios