Após um mês de competição, o oitavo Campeonato do Mundo de futebol feminino chega este domingo ao fim.

Como sublinha a repórter da Euronews, Cinzia Rizzi: “A Holanda não tem nada a perder na final do Mundial contra as rainhas americanas que procuram conquistar o quarto título. À espera do apito inicial, estão os adeptos das duas seleções há já vários dias em Lyon, cidade que por estes dias está transformada na capital mundial do futebol feminino.”

Mais de 20 mil adeptos americanos invadiram Lyon esta semana. Vieram para o jogo da meia-final contra a Inglaterra, na última terça-feira, e ficaram para conhecer a cidade enquanto esperavam pelo jogo decisivo.

Uma jovem adepta americana diz que “os Estados Unidos estão a atacar bastante e sente que vão marcar muitos golos. Mas pensa que a defesa da Holanda é muito boa e vai tentar travar as americanas.”

Já outra adepta americana revela que “tem gostado de ver as equipes do mundo todo a crescer, especialmente desde o Mundial do Canadá, de há quatro anos, e que isso tem sido muito emocionante.”

Apenas alguns holandeses, passeavam este sábado, por Lyon. A maioria chega poucas horas antes do inicio do jogo para apoiar a equipa que quer juntar o titulo mundial ao já conquistado de Campeã da Europa.

Este Mundial é já considerado um sucesso. A popularidade do futebol feminino tem crescido de dia para dia, mas ainda há um longo caminho a percorrer para diminuir a distância em relação aos homens, como nos disse a campeã do mundo de futebol freestyle, Lisa Zimouche:

“Acho que ainda há um pouco de trabalho a fazer, mas tem sido um prazer ver todo este entusiasmo, sobretudo em França. As pessoas veem os jogos na televisão e apoiam as equipas, mas ainda há algum trabalho a fazer pela igualdade.”

Neste domingo saberemos se os Estados Unidos renovam o título ou se a Holanda se torna pela primeira vez campeã do mundo. *Euronews

Anúncios