Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou que 14 governos da América Latina e do Caribe facilitarão a integração de refugiados e migrantes da Venezuela na região. 

As ações específicas estão relacionadas à validação de títulos acadêmicos, o combate ao tráfico de pessoas e a cobertura de atenção à saúde, entre outros.

“O Processo de Quito representa um espaço fundamental para a comunicação e coordenação entre os Estados. Existem muitas boas práticas na região e os governos se beneficiam de oportunidades de intercâmbio, articulação e harmonização. Por esta razão, é fundamental continuar a expandir e fortalecer a participação dos países da região neste processo “, disse Eduardo Stein, representante especial conjunto da Agência da ONU para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM) sobre o êxodo venezuelano.

Segundo a ONU, os governos concordaram em “fortalecer a cooperação, a comunicação e a coordenação entre os países de trânsito e destino dos venezuelanos”, fortalecendo as medidas contra os crimes transnacionais, como o tráfico e o tráfico de pessoas, bem como contra a violência. sexual e de gênero e luta contra a discriminação e a xenofobia, assegurando a proteção dos mais vulneráveis.

O plano prevê a criação de centros de informação, recepção, orientação e assistência para refugiados e migrantes, bem como o fortalecimento dos sistemas nacionais para determinar o status de refugiado.

Além disso, a criação e implementação de um Cartão de Informações sobre Mobilidade Regional foi apresentada como uma das prioridades para fortalecer os processos de documentação e registro em nível nacional. 

Os governos procuram colaborar na mitigação do impacto da crise na região, mobilizando recursos que apoiem ​​a implementação do Plano de Ação de Quito e o roteiro.

O ACNUR e a OIM apelaram à cooperação internacional e reforçaram os seus contributos para permitir a continuação das ações atuais e a implementação dos projetos apresentados durante a reunião.

Segundo agências da ONU, o número de refugiados e migrantes da Venezuela em todo o mundo ultrapassou 4 milhões. *NTN24

Anúncios