O Ministério Público Eleitoral de Minas Gerais pediu à Justiça em Belo Horizonte a prisão do ex-governador Fernando Pimentel (PT) pelo crime de falsidade ideológica para fins eleitorais, além do pagamento de uma indenização aos cofres públicos no valor de R$ 5 milhões.

A ação penal contra o ex-governador Fernando Pimentel é um dos processos em desdobramento da operação Acrônimo, desencadeada em 2014 pela Polícia Federal e que tem o petista como o principal investigado.

Segundo acusação do MP, Fernando Pimentel omitiu R$ 1,4 milhão de sua prestação de contas da campanha de 2010, quando se candidatou ao Senado.

O valor teria sido usado para quitar despesas com a empresa Pepper Comunicação Interativa Ltda, contratada pelo petista para prestar serviço de comunicação digital.

Apesar de ter declarado um gasto oficial de R$ 10 milhões, Fernando Pimentel não conseguiu se eleger senador, mas acabou vencendo a eleição de 2014, quando virou governador.

O processo seguiu para primeira instância em Belo Horizonte depois de Pimentel perder o foro privilegiado do cargo de governador. *Com informações do portal R7

Anúncios