Durante uma recente reunião com representantes da Fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), o Administrador Apostólico de Caracas e Arcebispo de Mérida, Cardeal Baltazar Porras, disse que a Igreja é perseguida em meio à crise social, política e econômica que se vive na Venezuela.

Porras indicou que as paróquias são atacadas pelo governo através dos “conselhos comunais e grupos pró-governo chamados ‘coletivos’”.

“Por exemplo, em Caracas, nas áreas populares, os coletivos ficam nas portas das paróquias e escutam o que o sacerdote diz na homilia, se não gostam, começam as ameaças”, denunciou.

De acordo com o Cardeal Porras, o atual governo é o responsável pela crise no país, onde “gerou um conflito social que está em crescimento”. A isso se soma o êxodo em massa de venezuelanos, “algo jamais visto por aqui antes”.

A Venezuela está se tornando um problema geopolítico que afeta outros países. Já há 4 milhões de venezuelanos fora do país; 1,5 milhão na Colômbia; 700 mil no Peru; 400 mil no Chile; 500 mil na Flórida – afirma-se que a metade indocumentados –; e muitos outros em países da América e Europa. É muito triste”, expressou.                            *Com informações da ACI Digital (Igreja Católica)

Anúncios