Uma exibição nostálgica de Roger Federer o levou nesta sexta-feira (12) a superar o espanhol Rafael Nadal e à final de Wimbledon, após um aguardado e antecipado primeiro duelo entre os dois grandes rivais na grama em 11 anos.

No 40º encontro da dupla de ouro, que tem 38 títulos de Grand Slam somados, viu-se a vantagem mudar de lado algumas vezes antes de Federer tomar o controle e conseguir uma vitória por 7-6(3), 1-6, 6-3 e 6-4.

O número 1 do mundo e atual campeão Novak Djokovic venceu a outra semifinal e terá pela frente o suíço Federer, de 37 anos, pela frente, o mais velho finalista em Wimbledon desde Ken Rosewall em 1974.

“Estou exausto. Foi difícil no final”, disse Federer, que tem 20 conquistas de Grand Slam na carreira, e que precisou de cinco match points para encerrar uma disputa envolvente, mas que jamais chegou perto do épico confronto de 2008, no qual Nadal e Federer decidiram a chamada maior final de todos os tempos, vencida pelo espanhol.

“Rafa fez algumas jogadas inacreditáveis para continuar na partida. O jogo teve um nível altíssimo. Foi uma alegria jogar hoje”, disse Federer após chegar à sua 31ª final de Grand Slam.

O principal cabeça-de-chave e atual campeão Djokovic teve um confronto animado contra o espanhol Roberto Bautista Agut nesta sexta-feira, triunfando após quatro sets para avançar a uma esperada final contra Federer.

A vitória do sérvio por 6-2, 4-6, 6-3 e 6-2 foi a 12ª em suas últimas 13 semifinais de Grand Slam, e ele agora está a uma vitória de seu quinto título em Wimbledon e 16º individual em Grand Slams. *Reuters

Anúncios