O Cardeal Jorge Urosa Savino, Arcebispo Emérito de Caracas, denunciou que o governo de Nicolás Maduro é “um violador dos direitos humanos” e deve deixar o poder para permitir que os graves problemas da Venezuela sejam resolvidos.

O Cardeal Urosa recordou que, em 11 de julho, “no contexto da assembleia geraordinária, os bispos venezuelanos emitiram um documento no qual, entre outras coisas, indica a necessidade de que Nicolás Maduro abandone o poder que ocupa de fato”.

“Chegamos a essa decisão devido à convicção de que Maduro não é capaz de administrar a marcha do país. Ele simplesmente não pode fazê-lo”, enfatizou o Cardeal.

“A Venezuela está em ruínas. A inflação absolutamente incontrolável; não há luz, água, gás ou gasolina; não há dinheiro em efetivo, papel moeda; não há comida ou os preços estão muito caros; não há medicamentos, nem peças de reposição para veículos ou máquinas. Simplesmente, Maduro não sabe e não pode governar”.

Além disso, continuou Cardeal Urosa, o governo de Maduro “violou sistematicamente os direitos humanos dos venezuelanos e alertou que é muito grave a situação atual dos presos políticos, alguns dos quais morreram sob custódia do governo, em circunstâncias que indicam a responsabilidade de funcionários do Estado”.

O Arcebispo Emérito de Caracas recordou que, na exortação pastoral de 11 de julho, os bispos convocaram “o povo a uma convivência cívica plural e pacífica, em justiça, liberdade e solidariedade”. “Devemos participar ativamente da renovação ética e espiritual da Venezuela”.

*Com ACIdigital

Anúncios