Pequenos satélites que patrulham em órbita e usam lasers para cegar naves espaciais inimigas, foi um dos conceitos revelados pelo exército francês ao anunciar detalhes sobre uma nova força espacial.

O país quer aumentar a capacidade militar para proteger os satélites que tem em órbita e assim enfrentar as ameaças de outros países e de empresas espaciais privadas.

A ministra da Defesa, Florence Parly, está a implantar um novo comando militar espacial em Toulouse. Tem planos para mudar a legislação para permitir ao exército mais liberdade no espaço, desenvolver novas ferramentas para proteger os satélites e vigiar manobras hostis de outras naves espaciais.

Em setembro do ano passado, Florence Parly acusou um satélite russo de tentar espionar um satélite francês.

“Não temos medo de ninguém. Nós consideramos, porque observamos, que o espaço está em vias de se tornar uma zona de conflito em potencial. A revisão estratégica que permitiu preparar a nossa programação militar identificou isso claramente. Assim, quando identificamos uma ameaça, a nossa responsabilidade é definir os meios para a eliminar,” declarou a ministra da Defesa, Florence Parly.

Os franceses também disseram que vão trabalhar com a Alemanha, em particular para monitorar o lixo espacial, uma ameaça crescente às comunicações e aos satélites de observação da Terra na órbita baixa da Terra.

A iniciativa surge depois do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar que iria criar um novo ramo das Forças Armadas norte americanas, chamada de Força Espacial. *Euronews

Anúncios