Nesta segunda-feira (29), o governo chinês instou o executivo de Hong Kong a punir os responsáveis ​​pela violência e “restaurar a ordem o mais rápido possível” após os novos protestos na antiga colônia britânica.

Numa conferência de imprensa em Pequim, um funcionário do Gabinete para os Assuntos de Hong Kong e Macau – o órgão chinês responsável pelas relações com a metrópole sul do país – disse que as manifestações nos últimos meses tiveram “seriamente comprometida” a prosperidade e estabilidade do território.

“Acreditamos que, por enquanto, a tarefa prioritária de Hong Kong é punir ações violentas e ilegais, de acordo com a lei, para restaurar a ordem o mais rápido possível e manter um ambiente propício aos negócios”, disse ele. o porta-voz deste Bureau, Xu Luying.

No domingo à noite, manifestantes pró-democracia entraram em confronto com a polícia em Hong Kong pelo segundo dia consecutivo, resultando nas cenas mais violentas já vistas no território.

Os confrontos ocorreram no domingo perto do Gabinete de Ligação chinês, que representa a autoridade de Pequim na região semi-autônoma.

Em um comunicado, a polícia disse na segunda-feira de manhã que 49 “manifestantes radicais” haviam sido presos por várias ofensas no dia anterior e disseram que os manifestantes estavam “cada vez mais violentos”. *AFP

Anúncios