O Exército Brasileiro declarou, na manhã desta segunda-feira (29), que a perícia da Polícia Federal (PF) não encontrou indícios de que houve invasão de garimpeiros e nem conflito com índios nas terras do povo Waiãpi, no Amapá.

situação foi denunciada pelos indígenas a autoridades policiais no sábado (27).

No fim da manhã desta segunda-feira, a Funai certificou, em nota, que não houve indício da presença de grupo armado no local e que, de acordo com a equipe, “será feito um relatório pormenorizado, contendo até os pontos georreferenciados”.

“A perícia feita pela equipe técnica científica da Polícia Federal, com uso de peritos florestais, drones e outros equipamentos, não constatou nenhum indício de invasão, nem de garimpeiros, nem de terceiros, e, consequentemente, não houve conflito”, disse o comandante do Exército no Amapá, general Luiz Gonzaga Viana Filho..

A PF segue apurando a morte do índio, declarou o comandante do Exército no Amapá. A vítima foi identificada como Emyra Waiãpi. Ele tinha 62 anos e era um dos líderes do povo Waiãpi.

Ao deixar o Palácio da Alvorada, em Brasília, Bolsonaro disse que não havia indícios de ataque contra indígenas no Amapá.

Bolsonaro declarou: “Usam o índio como massa de manobra, para demarcar cada vez mais terras, dizer que estão sendo maltratados. Esse caso agora aqui. Não tem nenhum indício forte que esse índio foi assassinado lá. Chegaram várias possibilidades, a PF está lá, quem nós pudemos mandar já mandamos. Buscarei desvendar o caso e mostrar a verdade sobre isso aí.”

 

Anúncios