O governo americano anunciou na quinta-feira (25) a retomada do uso da pena de morte por tribunais federais após 16 anos de suspensão. 

Em 2018, foram registradas 25 execuções nos EUA. Todas, no entanto, foram determinadas por autoridades estaduais. A última aplicação de pena de morte na esfera federal ocorreu em 2003.

O procurador-geral dos EUA, William Barr, afirmou que a medida visa “fazer justiça às vítimas dos crimes mais horríveis […] O Departamento de Justiça respalda o Estado de direito e devemos às vítimas e às suas famílias levar adiante a sentença imposta pelo nosso sistema de justiça”.

Barr  ordenou a Hugh Hurwitz, diretor interino do Gabinete Federal de Prisões, para programar as execuções de cinco presos no corredor da morte, que foram condenados por assassinato e, em alguns casos, por torturar e estuprar crianças e idosos.

Cada um desses reclusos esgotou seus recursos de apelação e pós-condenação, e atualmente nenhum impedimento legal impede suas execuções, que ocorrerá na Penitenciária Terre Haute, no estado de Indiana, de acordo com o Departamento de Justiça.

Execuções adicionais serão agendadas em uma data posterior.

Nos Estados Unidos, cerca de 20 estados proibiram a pena de morte, enquanto outros não realizam execuções há décadas.

A última vez que o governo federal executou um detento foi em 2003. *Com agências

Anúncios