Ao menos 900 crianças imigrantes foram separadas de suas famílias na fronteira dos Estados Unidos com o México no ano passado, apesar de uma ordem judicial para o governo Trump parar com essa prática, informou na terça-feira (30) um grupo de direitos humanos.

A União Americana de Liberdades Civis (ACLU) informou em denúncia judicial em San Diego que o governo está acusando os pais de delitos menores, como infrações de trânsito e negligência, para seguir separando as crianças na fronteira.

A separação de famílias começou na primavera de 2018, como parte de uma política de “tolerância zero” em relação aos imigrantes que cruzam a fronteira ilegalmente.

Em pouco tempo, mais de 2.600 menores foram separados dos seus pais sob a política do governo de Donald Trump, que exigia o processamento penal de todos os imigrantes adultos que fossem detidos depois de tentar atravessar a fronteira sul do país.

A separação das famílias foi uma das políticas fundamentais de Trump para desencorajar migrantes a entrar nos Estados Unidos. As chegadas diminuíram enquanto a prática esteve em vigor, mas voltaram a aumentar ao longo dos últimos meses. *Com agências

Anúncios