A autorização surgiu depois da Comissão Europeia anunciar que havia 5 países disponíveis a acolher os migrantes.

O ministro do Interior, Matteo Salvini aplaudiu a notícia em direto através das redes sociais. “Cinco países europeus: Alemanha, Portugal, França, Luxemburgo e Irlanda, juntamente com serviços da Igreja italiana, vão tomar conta de 116 migrantes que estavam a bordo deste navio”, anunciou acrescentando com tom de ironia que “demorou alguns dias para os convencer, para lhes despertar a consciência, porque eles são muito bons a serem generosos com os portos dos outros”.

A saúde de 29 dos migrantes que desembarcaram esta quarta-feira inspira alguns cuidados. Há registo de um caso de tuberculose.

A Itália mantém os portos fechados a cidadãos resgatados no mediterrâneo. O governo diz que o país “não tem capacidade” para acolher mais migrantes.

O ministro do Interior assinou também esta quarta-feira uma ordem a proibir a entrada em águas italianas do “Alan Kurdi”, a embarcação operada pela ONG alemã SeaEye que navega com 40 migrantes líbios a bordo. *Euronews

 

Anúncios