O Exército chinês divulgou um vídeo que mostra o uso de tanques, cassetetes, gases e jatos d’água contra manifestantes que acabam algemados, em advertência aos que vêm desafiando há dois meses o governo pró-Pequim nas ruas de Hong Kong.

O vídeo de três minutos de duração, divulgado nesta quarta-feira (31) pela guarnição do Exército de Libertação Popular em Hong Kong, é acompanhado por uma legenda na qual os militares expressam “confiança” e “capacidade” para manter a segurança no território semiautônomo.

As imagens mostram tanques, helicópteros e lança-mísseis em operações na cidade do sul da China e em colinas próximas, assim como forças especiais durante um exercício antiterrorismo. Vê-se também um exercício anti-distúrbios, em que soldados bem equipados dispersam uma multidão de manifestantes com o apoio de carros blindados de transporte de tropas e jatos d’água.

“Todas as consequências são por seu próprio risco”, grita um militar ao alto-falante em cantonês, a língua falada em Hong Kong, em vez do mandarim da China continental.

Soldados equipados com capacetes, escudos e cassetetes são vistos montando barricadas de arame farpado e lançando o que parece ser gás lacrimogêneo contra os manifestantes. Os militares exibem uma bandeira vermelha com a frase “Atenção: parem de atacar ou usaremos a força” – as mesmas palavras usadas pela polícia de Hong Kong ao confrontar os manifestantes pró-democracia.

A sequência termina com os soldados escoltando manifestantes algemados em direção a áreas descritas com letreiros como “locais de detenção”. O vídeo foi divulgado no mesmo dia em que dezenas de cidadãos se apresentaram à Justiça em Hong Kong, acusados de participar de distúrbios durante as manifestações do fim de semana.

A ex-colônia britânica, devolvida à China em 1997, está sob tensão desde o início de junho com as gigantescas manifestações pacíficas em repúdio a um projeto de lei, apresentado pelo governo local, pró-Pequim, autorizando extradições para a China continental.

O governo de Hong Kong suspendeu os esforços de enviar o projeto de lei para o Parlamento, mas o movimento se ampliou para exigir reformas democráticas amplas, rejeitando a influência de Pequim e a redução das liberdades em Hong Kong.

Sob os termos da devolução de Hong Kong à China, os habitantes do território semiautônomo gozam de direitos e liberdades ausentes no continente, como um Judiciário independente e liberdade de expressão.

Entretanto muitos afirmam que esses direitos vêm sendo restringidos, dando como exemplo o desaparecimento de livreiros dissidentes sob custódia na China continental, a desqualificação de políticos destacados, e a prisão de líderes dos protestos pró-democracia.

O governo chinês havia basicamente deixado o governo de cidade lidar sozinho com os protestos. Contudo, com a escalada de violência das últimas semanas, sem que o movimento mostrasse sinais de enfraquecimento, Pequim envia sinais mais fortes de que poderá intervir.

Na segunda-feira, a China renovou também seu apoio à chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, e à polícia local, além de pedir o “restabelecimento rápido da ordem” nesse polo central das finanças internacionais. *Deutsche Welle 

Anúncios