O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, enviou um memorando ao secretário de Estado, Mike Pompeo. Na carta, ele identificou 22 países, a maioria latino-americanos, como grandes produtores ou plataformas de tráfico de drogas.

Essa lista de países, que não reflete necessariamente os esforços antidrogas de seus governos ou o nível de cooperação com os Estados Unidos, é composta de Afeganistão, Bahamas, Belize, Birmânia, Bolívia, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, El Salvador, Guatemala. Haiti, Honduras, Índia, Jamaica, Laos, México, Nicarágua, Paquistão, Panamá, Peru e Venezuela.

Washington apenas “descertifica” a Bolívia e a Venezuela por comprovadamente violarem suas obrigações, de acordo com os compromissos internacionais antidrogas nos últimos 12 meses.

“Precisamos que o governo mexicano intensifique seus esforços para aumentar a erradicação de papoulas, apreensões, processos judiciais e confisco de bens”, disse Trump, que também exigiu uma estratégia abrangente de controle de drogas.

Trump ordenou que Pompeo entregasse este memorando ao Congresso para que os legisladores o levassem em conta para designar seus programas de cooperação internacional, embora no caso da Venezuela ele lembrasse que os programas de ajuda ao líder da oposição são fundamentais para os interesses dos estados. Unidos.

Anúncios