O escritório de ligação da China com Hong Kong disse nesta quarta-feira (14) que os manifestantes antigoverno não são diferentes de “terroristas”, enquanto o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que tropas chinesas estão rumando para a fronteira com Hong Kong e pediu calma.

Sediado em Pequim, o Escritório para Assuntos de Hong Kong e Macau disse nesta quarta-feira que crimes extremamente violentos precisam ser punidos com severidade, conforme a lei.

Os comunicados com palavreado contundente do governo central da China acontecem após confrontos violentos entre manifestantes vestidos de preto e batalhões de choque no aeroporto internacional de Hong Kong, um dos maiores polos de transporte do mundo, onde centenas de voos foram suspensos pelo segundo dia.

Algumas dúzias de manifestantes permaneceram no aeroporto nesta quarta-feira enquanto funcionários limpavam sangue e destroços. Os balcões de check-in reabriram diante de filas de centenas de viajantes cansados, que passaram a noite esperando seus voos.

Dez semanas de protestos cada vez mais violentos entre a polícia e manifestantes pró-democracia, ressentidos com o que veem como uma erosão das liberdades, mergulharam o polo financeiro asiático em sua pior crise desde que a China o recebeu de volta do Reino Unido em 1997. *Reuters

Anúncios