“Em 16 dias, tinham tido tempo de chegar a vossa casa, em Espanha. Vergonha”, diz Salvini.

A organização fala do difícil equilíbrio a bordo. Riccardo Gatti, chefe da Missão do Open Arms, explica que “se se tornasse uma questão humanitária e considerássemos necessário entrar no porto, entraríamos.

Neste momento estamos verdadeiramente em crise. Estamos em contato com os serviços de emergência para continuarmos a retirar pessoas por razões psicológicas. Infelizmente, cada saída de pessoas, cada pequena mudança cria uma reação adversa e incontrolável”.

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, apelou ao desembarque imediato dos migrantes a bordo do Open Arms.

Em situação frágil está também a embarcação Ocean Viking. A Médicos Sem Fronteiras, uma das organizações responsáveis por este navio, pede às autoridades europeias uma resposta imediata para as 356 pessoas resgatadas – algumas há 10 dias no mar. *Euronews