Peru vai destruir plantações de coca em principal região de tráfico

Forças da segurança do Peru irão começar a destruir plantações ilegais de coca pela primeira vez em uma região de selva que produz a maior parte da cocaína do país, anunciou o governo peruano nesta quinta-feira(12). 

Autoridades querem reverter um crescimento na produção de cocaína e tirar vantagem do enfraquecimento de rebeldes de esquerda que apoiam o tráfico de drogas, afirmou o ministro do Interior, Carlos Morán.

Uma operação de 45 dias na região do Vale dos Rios Apurímac, Ene e Mantaro (Vraem), com início em 1º de novembro, tem objetivo de destruir 750 hectares, de plantações de coca. Segundo Morán, a destruição de plantações na região será mais intensa no próximo ano, sem dar mais detalhes.

A região do Vraem tem o tamanho de Porto Rico e foi responsável por cerca de 70% da cocaína produzida no Peru em 2016, ano mais recente de dados disponíveis em relatório do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC).

Em 2017, plantações ilegais de coca eram responsáveis por 24 mil hectares na região do Vraem, segundo Morán. Isto é 20% mais alto que os 20 mil hectares de coca estimados pelo UNODC para 2016, que já representava um aumento de 11% em relação a 2015.

O Peru é o segundo maior produtor de cocaína do mundo, atrás da Colômbia, de acordo com Washington. A produção potencial de cocaína no Peru atingiu um recorde de 25 anos em 2017, afirmou a Casa Branca no ano passado. *Reuters

Categorias:Internacional

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.