Duas pessoas foram mortas em um tiroteio na cidade alemã de Halle, nesta quarta-feira (9), do lado de fora de uma sinagoga, enquanto os judeus observavam o dia mais sagrado do ano, o Yom Kippur.

A polícia disse que havia detido uma pessoa e, de acordo com relatórios preliminares, os mortos não estavam entre os da sinagoga. O local também foi encontrado com explosivos, forçando um bloqueio da área com dezenas de fiéis dentro.

O jornal de vendas em massa Bild disse que o tiroteio ocorreu em frente à sinagoga e que uma granada de mão também foi lançada em um cemitério judeu. Uma testemunha ocular disse à televisão N-TV que um criminoso também havia disparado tiros em uma loja de kebab em Halle.

Depois que os guardas impediram que o atirador entrasse na sinagoga durante os serviços, ele começou a se envolver em um tumulto na rua, matando dois e ferindo outros dois seriamente. Um suspeito em cada três foi preso e uma caçada humana estava em andamento para os outros dois.

Ele então fugiu do local, mas acabou sendo pego após uma troca de tiros com a polícia. Uma caçada humana estava em andamento para os outros dois cúmplices.

Os fiéis foram finalmente autorizados a deixar a sinagoga com grande segurança depois de ficarem presos por cerca de duas horas. “Os guardas e as pessoas dentro impediram os agressores de entrar no local”, disse uma testemunha ocular, acrescentando que o atirador

A violência ocorreu no Yom Kipur, o dia mais sagrado do ano no judaísmo, quando os judeus jejuam por mais de 24 horas, buscando expiação.

“Nossas forças prenderam uma pessoa”, disse a polícia local no Twitter. “Por favor, continue vigilante.” Mais cedo, a polícia twittou: “De acordo com as descobertas iniciais, duas pessoas foram mortas em Halle. Houve vários tiros”.

Tiros também foram ouvidos em Landsberg, um subúrbio de Halle, informou o Focus Online.

A operadora ferroviária nacional Deutsche Bahn disse que a principal estação ferroviária de Halle estava fechada.

O anti-semitismo é especialmente sensível na Alemanha, que durante a Segunda Guerra Mundial foi responsável pelo genocídio de 6 milhões de judeus no Holocausto nazista.

Apesar da des-nazificação abrangente na era pós-guerra, os medos do ódio anti-semita ressurgente nunca desapareceram completamente, seja de neonazistas de extrema-direita ou mais recentemente de imigrantes muçulmanos.

Ocasionalmente, ataques passados ​​variaram de rabiscos de suásticas nazistas em lápides a bombas de incêndio em sinagogas e até vários assassinatos. Nos últimos anos, casos de agressão ou abuso verbal, em alguns casos dirigidos contra pessoas que usavam capas de caveiras tradicionais judaicas, provocaram protestos. *Israel Hayom