As forças turcas e seus colegas sírios entraram no sábado em uma importante cidade curda no norte da Síria em meio a bombardeios, com a Turquia dizendo que estava determinada a continuar sua ofensiva, apesar dos protestos internacionais e ameaças de sanções dos EUA.

Em Ancara, o Ministério da Defesa afirmou que as forças turcas capturaram Ras Al-Ain, uma cidade fronteiriça da Turquia. Mas as forças curdas negaram e, de acordo com o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH) e um correspondente da AFP no local, as forças turcas e seus auxiliares sírios entraram, mas os combates continuam.

Vizinha da Síria em guerra, a Turquia quer expulsar a milícia síria das Unidades de Proteção do Povo (YPG), que chama de “terrorista”, para as áreas de fronteira e estabelecer uma “zona de segurança” com 32 km de profundidade. no território sírio para separar sua fronteira das áreas controladas por YPG.

Desde o início do ataque na quarta-feira, 74 combatentes curdos e 20 civis foram mortos de acordo com o último registro de uma ONG síria, e 100.000 pessoas foram deslocadas de acordo com a ONU. Ancara anunciou a morte de quatro soldados na Síria e 17 civis na queda de foguetes curdos disparados em cidades fronteiriças na Turquia.

Sob uma avalanche de artilharia pesada e cobertura da aviação turca, as forças turcas e seus aliados locais lançaram um ataque a Ras Al-Ain pela manhã a partir de três eixos, de acordo com o OSDH.

Na noite, as forças turcas conquistaram 11 aldeias, a maioria perto de Tal Abyad, outra cidade fronteiriça que as forças turcas querem tomar, segundo o OSDH. Sinal da intensidade dos combates, 20 combatentes curdos foram mortos na violência noturna. *Com informações da AFP

 

Anúncios