O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, fez hoje (29) um balanço da operação de combate às manchas de óleo no Nordeste.

Reiterou a atuação das Forças Armadas e agências do Executivo em parceria com autoridades estaduais e municipais. Segundo Azevedo, até o dia de hoje (29) a contabilização do governo registra 254 localidades atingidas. Nesta terça-feira, ainda havia 19 praias com manchas de óleo.

Siga Avante Mundo no  Facebook e Twitter

O comandante operacional da Marinha, Leonardo Puntel, confirmou a preocupação de deslocamento das manchas para o sul da Bahia, com risco de atingir o santuário de Abrolhos, e para o Espírito Santo. Ele argumentou que o acompanhamento é difícil, uma vez que o óleo trafega por baixo da superfície do oceano, emergindo quando entra em contato com a arrebentação.

Foto: REUTERS / Adriano Machado/Direitos ReservadosSobre as apurações, Puntel retomou a informação dada no último sábado (26) de que o governo investiga 30 navios de 11 países e notificou as empresas e os governos para cobrar esclarecimentos deles.

A Marinha também visa descobrir navios de atuação não oficial (dark ships, no termo em inglês). “Não é investigação fácil. É local de 500 quilômetros da costa do litoral nordestino, área retangular, e com isso muitos navios passaram por ali”, observou.

Questionado por jornalistas, Fernando Azevedo e Silva negou que o governo tenha demorado a atuar, e ressaltou que, desde 2 de setembro, equipes de autoridades do Executivo foram designadas para atuar no combate às manchas.

“O governo vem atuando desde o dia 2 de setembro. Estamos aperfeiçoando os processos, em coordenação das áreas federal, estadual e municipal”, respondeu. *Agência Brasil

Anúncios