David Smolansky, coordenador da crise venezuelana de migrantes e refugiados na Organização dos Estados Americanos, disse quinta-feira (31) que este ano poderá terminar com 5 milhões de venezuelanos fora do país.

No momento, a Venezuela é o segundo país do mundo com o maior número de pessoas deslocadas. A Síria está em primeiro lugar, disse ele em entrevista a César Miguel Rondón.

Smolansky acrescentou que, se a crise continuar no país, o número de migrantes será de 8 milhões em 2020 e excederá a Síria.

Ele descreveu o êxodo venezuelano como um “deslizamento de terra humano”, pois a Venezuela perdeu 20% de sua população nos últimos anos.

Ele ressaltou que os 4,5 milhões de venezuelanos que deixaram a Venezuela excedem a população total de países como Uruguai, Panamá e Croácia, informa o site El Nacional.

Ele insistiu que a ajuda da comunidade internacional é necessária para atender às necessidades dos migrantes venezuelanos.

“Estamos trabalhando para que venezuelanos no exterior se integrem à sociedade que alcançaram. Se eles conseguirem se superar no país que os recebeu, terão mais oportunidades de crescimento e amanhã essas pessoas serão vitais para a reconstrução do país ”, disse Smolansky.

Em relação à saúde dos migrantes venezuelanos, Smolansky destacou que 1.100.000 crianças precisam de atenção médica. Além disso, 61% das mulheres grávidas têm gestações de alto risco . E 20% das mulheres grávidas são menores de idade.

 

Anúncios