A economia chilena cresceu 3,0% em setembro na comparação com o mesmo mês de 2018, informou o Banco Central do Chile (BC), resultado menor que o previsto em consequência da queda no setor de mineração.

O Índice Mensal de Atividade Econômica (Imacec) mostra um avanço de 2,2% em 12 meses.

Em setembro, o último registro antes da crise social que afeta o país, o resultado ficou abaixo das expectativas do mercado, que esperava 3,6%.

O Imacec de setembro sofreu com a queda de 1,6% da mineração.

Antes da crise, as autoridades chilenas esperavam fechar 2019 com um crescimento próximo de 2,5%.

Mas a desaceleração do comércio e turismo provocada pelos protestos violentos, que obrigaram o presidente Sebastián Piñera a cancelar a organização no Chile da cúpula do fórum econômico APEC e a reunião do clima COP25, obrigaram o governo a reduzir a previsão para um avanço de 2,2%. *AFP

Anúncios