Luis Fernando Camacho, um líder cívico que se tornou uma figura importante na oposição, disse que liderará uma passeata de protesto na capital nesta quarta-feira (06) e pressionará pela renúncia de Evo Morales.

Camacho voou da cidade de Santa Cruz para La Paz na terça-feira, mas disse que as autoridades o impediram de deixar o aeroporto por várias horas, enquanto apoiadores do governo se reuniam do lado de fora. Um avião da Força Aérea mais tarde o levou de volta a Santa Cruz.

Camacho prometeu viajar para La Paz novamente nesta quarta-feira e levar uma carta de renúncia pré-escrita para Morales assinar na tentativa de aumentar a pressão contra o presidente.

Outras figuras da oposição continuaram seus apelos para que Morales renuncie após sua vitória eleitoral controversa no mês passado, que levou o país a uma crise democrática.

“Estamos convencidos de que devemos promover uma ação clara, ativista, mobilizada, pacífica e democrática, com o objetivo absolutamente claro de Evo Morales deixar o governo, porque ele cometeu a fraude monumental de não respeitar a vontade popular”, afirmou o candidato da oposição Carlos Mesa em uma entrevista coletiva.

Jorge Quiroga, ex-presidente da Bolívia, chamou Morales de “tirano” e comparou suas ações às do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acusado de corrupção e violações dos direitos humanos.

Luis Almagro, secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), está auditando a votação de 20 de outubro, A OEA já havia recomendado um segundo turno

Morales  venceu o pleito com uma vantagem de pouco mais de 10 pontos, o que lhe concedeu uma vitória no primeiro turno, mas o triunfo foi ofuscado por uma suspensão de quase 24 horas na contagem, que, quando retomada, mostrou uma mudança súbita e inexplicável a seu favor. *Com informações da Agência Reuters

 

Anúncios