Apoiadores do presidente autoproclamado da Venezuela, Juan Guaidó, no final da tarde da quarta-feira (13) deixaram o prédio da embaixada do país, em Brasília, após uma ocupação que durou mais de 12 horas.

O grupo, formado por 14 pessoas, estava no local desde as 5h da quarta-feira (13).

Pela manhã, manifestantes que apoiam o presidente Nicolás Maduro fizeram protestos em frente ao prédio e denunciaram que o local foi invadido. Os seguidores de Guaidó afirmam que as portas foram abertas para que eles assumissem a Embaixada .

A saída dos apoiadores de Guaidó foi acompanhada pela Polícia Militar do Distrito Federal e coordenada pela Polícia Federal e pelo Ministério das Relações Exteriores (MRE).

As negociações para que o grupo deixasse o local foram feitas pelo coordenador-geral de Privilégios e Imunidades do Ministério das Relações Exteriores (MRE), Maurício Correia, e pelo ministro-conselheiro da embaixada da Venezuela no Brasil, Tomás Silva, reconhecido pelo governo brasileiro e por Juan Guaidó.