O líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, prometeu nomear seus representantes “diplomáticos” na Bolívia após a renúncia de Evo Morales e a formação do governo interino, liderado por Jeanine Áñez, informou a mídia.

O novo governo da Bolívia anunciou na sexta-feira (15) a ruptura das relações com o regime de Nicolás Maduro e a expulsão de todos os funcionários da embaixada da Venezuela em La Paz, alegando a suposta interferência deles em assuntos internos do país.

Com base em provas que o Ministério do Governo teria reunido sobre as alegações de que diplomatas venezuelanos teriam violado regras da diplomacia, a ministra disse dará a todo o pessoal da embaixada venezuelana o prazo correspondente para deixarem o país e disse que eles serão declarados persona non grata. “Eles estiveram envolvidos em assuntos internos do Estado”, destacou.

No sábado (16), Guaidó e Áñez discutiram a situação em ambos os países durante uma conversa via Skype, transmitida pela rede de televisão estatal BoliviaTV.

Guaidó anunciou que vai nomear seus representantes da Venezuela em poucos dias.

Durante a conversa, ambos os políticos denunciaram Nicolás Maduro e Evo Morales, com Áñez dizendo que “aqueles que se dizem socialistas do século XXI destroem tudo”.

A nova ministra das Relações Exteriores da Bolívia, Karen Longaric, anunciou no dia 15 de novembro a expulsão do corpo diplomático venezuelano relacionado com o governo de Nicolás Maduro, depois que a presidente interina boliviana Áñez reconheceu Guaidó como o presidente legítimo da Venezuela.