Sem se distanciar do já conhecido discurso de que foi preso sem provas, o ex-presidente Lula voltou a fazer críticas neste domingo, (17), ao atual ministro da Justiça, Sérgio Moro, durante o Festival Lula Livre, no Recife.

No seu discurso, exaltou a origem pernambucana e admitiu que a oposição está “com dificuldades de reagir”.

E estou vendo que nós estamos com dificuldade de reagir”, disse o petista, prometendo dedicar “cada minuto da vida para libertar o País dessa quadrilha de milicianos que tomou conta do poder”.

“Eu não aceito negociação. Eu quero é a minha libertação. Eu sou homem da terra de Frei Caneca, sou da terra de Padre Roma. Sou da terra de lutadores que tiveram a coragem de em 1820 fazer a Confederação do Equador, a coragem de lutar pela independência deste país.”

Pouco tempo depois de ter subido ao palco, com quase duas horas de atraso em relação ao que estava previsto na programação do evento, Lula pediu a presença de Fernando Haddad, exaltando-o como o melhor ministro da Educação que o Brasil já viu, assim como também elogiou o ex-ministro Sérgio Rezende.

Poucos políticos foram vistos acompanhando o festival. Os petistas se encontraram após os shows, em um jantar oferecido pela deputada federal Marília Arraes (PT), com presença de Humberto Costa, líder do partido no Senado.