O Quarto Comitê da Assembléia Geral da ONU adotou oito resoluções na sexta-feira que destacaram ou condenaram Israel, informou o grupo de vigilância UN Watch.

As resoluções condenam Israel por “medidas repressivas” contra cidadãos sírios nas colinas de Golã e exigem que Israel entregue a terra à Síria; renovar o mandato da Agência de Ajuda e Obras da ONU; e renovar o mandato do “comitê especial da ONU para investigar práticas israelenses que afetam os direitos humanos do povo palestino e de outros árabes dos territórios ocupados”.

Todos os 193 estados membros da ONU pertencem ao Comitê Especial de Política e Descolonização, também conhecido como Quarto Comitê. As votações serão repetidas em dezembro, quando o plenário da AG ratificar formalmente as resoluções, de acordo com a ONU Watch.

A vice-representante interina dos Estados Unidos na ONU, Cherith Norman Chalet, denunciou o corpo mundial em frente à Assembléia Geral na sexta-feira, dizendo: “É deplorável que as Nações Unidas – uma instituição fundada na idéia de que todas as nações devam ser tratadas igualmente – deve ser freqüentemente usado pelos estados membros para tratar um estado em particular, Israel, de maneira desigual. ”

“Vimos resoluções que são rápidas em condenar todo tipo de ação israelense, mas não dizemos nada ou quase nada sobre ataques terroristas contra civis inocentes”, acrescentou. “Isso é particularmente aparente quando vemos Israel culpado pela situação em Gaza, enquanto nenhuma dessas resoluções sequer menciona a palavra ‘Hamas’ ou qualquer grupo armado em Gaza.

“Ainda nesta semana”, continuou ela, “vimos bombardeios de civis israelenses disparados da Jihad Islâmica Palestina em Gaza. É vergonhoso que a ONU não possa condenar esses atos de terrorismo em nenhuma das resoluções. Resoluções unilaterais não ajudam a promover a paz. A causa da paz será servida quando o viés das Nações Unidas contra Israel terminar”. *Israel Hayom