Patrick Melo foi finalista e premiado em Nova York pelo vídeo produzido para o Festival PLURAL+, das Nações Unidas.

Na quarta-feira (13), na sede da ONU, entre os 25 jovens premiados em Nova York, Melo foi o único reconhecido nas categorias de Prevenção à Xenofobia e de Vídeo da ONU.

O jovem pernambucano de 20 anos registrou no curta “Brasileiro, mas não jogador de futebol” algumas angústias de pessoas que são vítimas de preconceito quando migram.

Nascido em Pernambuco, Melo vive atualmente no Rio de Janeiro e contou que o vídeo produzido para o festival foi inspirado em sua própria história: ao se mudar de Jaboatão dos Guararapes para a capital carioca, teve dificuldades de adaptação.

Patrick Melo conta que o vídeo produzido para o festival foi inspirado em sua própria história. Foto: ONU News.

Segundo os organizadores, em um mundo frequentemente marcado pela intolerância e por divisões culturais, o concurso busca reconhecer os jovens como agentes poderosos da mudança social, capazes de estimular o respeito à diversidade. A iniciativa é promovida pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) e pela Aliança de Civilizações das Nações Unidas (UNAOC).

Segundo o diretor-geral da OIM, António Vitorino, “Esses jovens cineastas não permitiram que as narrativas negativas sobre migração – tão popularizadas na mídia contemporânea – os privassem de empatia”. Com crescente interesse e participação a cada ano, o PLURAL + se tornou a principal plataforma global de distribuição de mídia da ONU para jovens.

Desde o lançamento em 2009, o PLURAL+ já teve a participação de milhares de jovens de mais de 100 países.

Os organizadores premiam a criatividade e divulgam as produções vencedoras para reforçar o papel dos participantes como “agentes de mudança social positiva” sobre temas como intolerância e discriminações culturais e religiosas. *Nações Unidas