O órgão gestor do transporte de Londres decidiu, nesta segunda-feira, não renovar a licença da plataforma de serviço de veículos com motorista Uber na capital britânica, alegando “falhas” que colocam em risco a segurança dos passageiros.

A empresa, que tem 45 mil condutores e 3,5 milhões de clientes na capital britânica, anunciou imediatamente que vai recorrer da decisão, e informou que continuará funcionando normalmente até uma decisão definitiva.

Para o Transport for London (TfL), a Uber “não está apta a ter uma licença”. O organismo afirmou em um comunicado ter “identificado um padrão de falhas por parte da companhia, que inclui várias infrações que colocam em risco os passageiros e sua segurança”.

Entre eles, está um número elevado de “motoristas não autorizados” inscritos na plataforma, “que se aproveitam das vulnerabilidades do aplicativo para transportar milhares de passageiros”.

A Uber é acusada frequentemente de falhas de segurança, como agressões a seus usuários ou motoristas, o que contribui para uma reputação em muitos países marcada pela baixa remuneração de seus condutores.

O TfL reconheceu que a empresa fez algumas mudanças positivas para a segurança dos usuários, mas considerou-as insuficientes.

Por esta razão, a autoridade de transportes “concluiu que não concederá à Uber London Limited (Uber) uma nova licença de operador privado em resposta ao seu último pedido”.

O gigante dos transportes poderá, no entanto, continuar operando na capital britânica enquanto houver recursos possíveis, informou.

Este bloqueio é mais um revés para as operações da empresa em Londres desde os protestos de motoristas dos tradicionais táxis pretos até uma suspensão anterior de licença em 2017, já devido a questões de segurança.

Em setembro, as autoridades dos transportes concederam uma prorrogação de dois meses de sua licença, após a expiração de um acordo anterior de 15 meses. A renovação da permissão estava sujeita a uma melhora da segurança dos passageiros.

Entre as novas medidas lançadas recentemente pela Uber está a possibilidade de usuários se colocarem diretamente em contato com os serviços de emergência, caso necessário, por meio do próprio aplicativo. *AFP