A Agência Espacial Europeia (ESA) tem o maior orçamento para os próximos cinco anos: 14,4 mil milhões de euros.

Um orçamento votado pelos 22 países-membros da ESA. O dinheiro vai permitir o desenvolvimento de vários projetos, como a constelação de satélites proposta por Portugal para a monitorização dos oceanos.

“Este dinheiro vai para 4 categorias, 4 pilares como eu os chamo: ciência e exploração, segurança e proteção espacial, para a observação da terra, navegação, telecomunicações, tecnologia e transporte espacial, declarou Jan Woerner, Diretor-geral da ESA

“Portanto, é um programa completo nos diferentes aspectos, também na procura de detritos espaciais, não só na procura, mas também na remoção de detritos espaciais. Para chegar à órbita mais baixa da Estação Espacial Internacional, à Lua e Marte. Para desenvolver novas capacidades de observação da Terra, para fazer investigação científica e na procura de buracos negros e ondas gravitacionais – é um programa completo”, afirmou Woerner.

Jan WoernerJan Woerner, Diretor-geral da Agência Espacial Europeia

Outro projeto é uma missão de longa duração de astronautas europeus na Estação Espacial Internacional.

A ESA, juntamente com a agência norte-americana NASA, tem como objetivo voltar a colocar astronautas na Lua em 2024 e continuar a exploração de Marte com vista a uma futura missão tripulada.

Estas decisões foram tomadas na conferência interministerial da ESA, que decorreu em Sevilha. *Euronews