A Interpol acionou o alerta azul contra o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, acusado pelo governo do país  de “terrorismo”, “sedição” e outros crimes.

O alerta permite que a Interpol colete dados sobre a identidade, localização e atividades de suspeito, além de notificar países terceiros acerca da investigação penal em curso.

“O alerta azul já foi ativado pela Interpol, o que significa que essa pessoa [Evo Morales] está sendo investigada e que estamos compartilhando informações sobre essa investigação com as polícias internacionais”, asseverou o procurador boliviano William Alave.

Alave disse que a Procuradoria espera autorização da chancelaria boliviana para coletar depoimento de Evo Morales, que obteve asilo político no México, acerca dos crimes dos quais é acusado.

Evo Morales, por sua vez, declarou, em conferência de imprensa, que a Interpol acionou o alerta azul com base em “crimes inexistentes”.

De acordo com Morales, a Interpol notificou a Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Paraguai, Peru e Uruguai.